Acadêmicos
Leonarda da Silva Fernandes

 

Leonarda da Silva Fernandes
Cadeira: 16
Posição: Fundador

Biografia

 Nasceu em Criciúma em 09/03/1949. em 1953, acompanhada dos pais fixaram residência em Mineração de Içara passando ali a infância, e parte de sua juventude, tomando como profissão a costura. Casada com o pescador Valdemar Antônio Fernandes, mudou-se para o Balneário Rincão. Leonarda é mãe de Luiz Alexandre, Valdemar Antônio Filho e Carolina e avó de três netos. A literatura para Leonarda sempre foi um elo de amor e de relax, mas em 2005, ao publicar “O grito da Consciência”, (poemas) Leonarda teve a certeza de que pode também produzir e contribuir com o seu dom literário. Ser acadêmica para Leonarda é mais um gesto de amor.

Obras

ENTARDECER



A chuva cai lentamente e, de entre as nuvens
um arco-íris corta o céu de lado a lado
vagando, a chuva vai se esvaínda
deixando o céu mais belo e aureolado

por trás das montanhas o sol se declina
o infinito se vislumbra sob um entardecer colorido
é o entardecer mais belo que tenho visto
o revoar dos pássaros em busca dos seus ninhos vem vindo

tal e qual o entardecer da minha vida
se esvai entre um declinar
o meu sol vai se esvaindo entre os montes
o entardecer vem rápido e não vai ficar
somente resta em minha vida o anoitecer
pra tudo em volta escuro ficar

chegou finalmente o ápice do meu dia
a escuridão em volta veio ficar
ao longe posso ver uma fresta de luz
é aquela que veio pra minha vida guiar
aquele que estiver em igual situação a minha
aproxime-se e vamos lado a lado caminhar.

(Poemas da obra: "O grito da consciência" de Leonarda da Silva Fernandes.)

 
Cavalgada de sonhos



Como um corcel a cavalgar num vasto campo
meu pensamento voa com pressa de chegar
se algum obstáculo vem quebrar meu encanto
num salto leve tenho o poder de ultrapassar.

não levo fardos nem mágoas que me freiam
minha vavalgada é uma longa volta sem fim
além do crepúsculo há delícias que me aguradam
sem temer a ventura busco ao que espera por mim.

neste sonho prossigo com um doce sorriso
é por demais auspicioso todo este anseio
chegando eu neste tão almejado paraíso
encontrando a quem busco inquirirei ao que veio.

certamente um sonhador como eu fatigado
por cavalgar tantas léguas jamais antes percorridas
num toque de mãos há tanto tempo esperado
um profundo e meigo olhar selará nossas vidas.

 
quando setembro vier



QUANDO SETEMBRO VIER

as flores são mais belas
mais frutos há no pomar
quando setembro vier
o verde é sempre mais verde
o sol teima em mais brilhar

quando setembro vier
as aves se diversificam
os ninhos se multiplicarão
quando setembro vier
há mais paz em cada alma
há mais amor no coração

quando setembro vier
os pássaros cantado
revoam na imensidão
tudo é mais belo e formoso
pois logo depois de setembro
então chegará o verão.

 
Meu mundo...



Um mundo iluminado torna-se real
quando há um foco de clarão onde a treva impera
é o que basta para tudo se tornar radiante
num mundo comum que ansiosamente se espera

não preciso ter tudo, basta ter mais que o nada
o suficiente pra se sentir útil e capaz
basta-me somente valorizar esta vida
pra viver o meu mundo como um sonho de paz.

vôo em pensamento ao bem que me espera
aposto que terei tudo na vida futura
viver pela fé que bem guardo na alma
não me importa outro plano, que sublime ventura.

este sonho de paz torna-se ao meu alcance...palpável
num toque de imensa luz do infinito
é tudo o que eu quero, esta total plenitude
um mundo mais justo, suficientemente bonito.

 


<< Voltar

 
 

AILA - Academia Içarense de Letras e Artes | Todos os direitos Reservados | Içara - SC